Receba atualizações de notícias ao minuto sobre os temas mais quentes com a NewsHub. Instale já.

Alto-Comissário para as Migrações de Portugal preside grupo de trabalho da OCDE

11 de Julho de 2018 16:53
6 0

O Alto-comissário para as Migrações, Pedro Calado, foi eleito esta quarta-feira presidente do Grupo de Trabalho Migrações da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), destacando a importância este cargo para obter "uma dimensão global" sobre as migrações.

"A OCDE é um espaço privilegiado para olhar para este fenómeno globalmente", disse à agência Lusa Pedro Calado, cuja eleição formalizada hoje foi obtida com a maioria de votos de 23 dos 34 Estados-Membros da OCDE, designadamente: Alemanha, �ustria, Bélgica, Canadá, Coreia do Sul, Eslovénia, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Luxemburgo, Noruega, Nova Zelândia, Polónia, Reino Unido, República Checa, Suíça e Turquia.

O Grupo de Trabalho Migrações da OCDE reúne representantes de diversos Estados-Membros, que desenvolvem trabalho no domínio das migrações, e também de outras entidades internacionais como a Organização Internacional para as Migrações e a Comissão Europeia, num total de 36 países e organismos.

É esta ampla representatividade que permite, segundo Pedro Calado, encarar as migrações de forma global, para procurar soluções "distanciadas das visões nacionais" sobre o fenómeno, pois o "desafio é global".

Eleito para um mandato de três anos, o Alto-Comissário para as Migrações português sucede à francesa Marie-Hélène Amiel e assumirá os dois cargos em simultâneo.

Sobre as prioridades que definiu para o seu mandato, Pedro Calado afirmou que "vão decorrer do trabalho que for consolidado com outros membros".

"Não será uma agenda minha. O próximo passo será definir esse trabalho", adiantou, acrescentando que vão continuar a ser produzidos documentos como o relatório anual "International Migration Outlook", que analisa os movimentos migratórios e políticas nos países da OCDE.

Leia também: Instituições em Cabo Verde desconfiam de recibo que substitui cartão de identificação

Fonte: jn.pt

Partilhe nas redes sociais:

Comentários - 0