António Costa pressionado a deixar Câmara de Lisboa

28 de Fevereiro de 2015 11:44

3 0

António Costa pressionado a deixar Câmara de Lisboa

Era um tema que parecia arrumado numa gaveta mas, esta semana, com a controvérsia gerada pela intervenção do presidente da Câmara de Lisboa perante a comunidade chinesa, volta a estar em cima da mesa: António Costa não faria melhor se deixasse de vez os assuntos autárquicos e assumisse, em exclusividade, as funções de secretário-geral do PS e candidato a primeiro-ministro nas legislativas de setembro?, começam a interrogar-se os socialistas, ainda a refazer-se de uma semana negra.

O tema vai com certeza fazer parte das conversas hoje, em Santarém, onde dirigentes, deputados e autarcas socialistas se reúnem num encontro nacional.

O ambiente dentro do maior partido da oposição já conheceu melhores dias, mesmo entre apoiantes de primeira hora do secretário-geral, que reconhecem já não ver entre os seus correligionários o mesmo entusiasmo que levou à eleição de António Costa nas primárias de 29 de setembro (e a obter cerca de 70% dos votos de militantes e simpatizantes, contra os 30% obtidos pelo até aí líder socialista, António José Seguro).

Decorridos cinco meses sobre as primárias e três sobre as eleições internas, Costa tarda em demonstrar ao eleitorado socialista que tem um rumo e sabe exatamente que caminho percorrer para chegar às legislativas de setembro e… vencer. Quinta-feira, na TVI24, Francisco Assis disse em voz alta o que vai na cabeça de muitos socialistas: “O PS não pode esperar até ao verão para apresentar os seus compromissos com os portugueses. O PS tem de ter um programa o mais depressa possível”, disse o eurodeputado.

A impaciência dos socialistas atingiu o limite, esta semana, com a controvérsia gerada pelo discurso de António Costa perante a comunidade chinesa que o elegera (na qualidade de presidente da Câmara de Lisboa) como personalidade do ano. O agradecimento aos investidores chineses por terem contribuído decisivamente para que Portugal estivesse hoje “bastante diferente” do que há quatro anos caiu como sopa no mel no argumentário dos partidos da coligação que, prontamente, aproveitaram a frase de Costa para o questionar sobre o real balanço que faz da atividade do Governo nestes quatro anos. E aliás divulgam também uma frase de Paulo Portas, proferida há dias também em frente a assistência chinesa, em tudo idêntica à do líder socialista (ver acima).

No PS, e por mais explicações que a direção esboçasse a posteriori – com o próprio secretário-geral a enviar um SMS aos militantes onde se revela “perplexo” com a interpretação feita das suas palavras e justifica que não confunde “oposição com bota-abaixismo” -, todos levaram as mãos à cabeça.

O vice-presidente do grupo parlamentar, Vieira da Silva, reconheceu perante a bancada que não era possível ignorar o impacto (negativo) das palavras do líder, numa altura em que já era conhecida a desfiliação de Alfredo Barroso: “António Costa tem acumulado nas últimas semanas declarações que, a meu ver, põem em causa a credibilidade do PS como principal partido da oposição” – explicou o fundador do PS, num artigo no jornal “i”.

Fonte: maiortv.com.pt

Para página da categoria

Loading...