As propostas de Dino Alves e Nuno Gama na ModaLisboa

8 de Outubro de 2017 1:36

3 0

O Pavilhão Carlos Lopes mergulhou sábado à noite no silêncio com a coleção de Dino Alves para a primavera/verão do próximo ano, que encerrou o segundo dia da 49.ª edição da ModaLisboa.

"A seguir a um desfile [em março, de apresentação da coleção para este inverno] em que fiz algum estardalhaço e me fartei de dizer coisas quis fazer uma outra espécie de manifesto", explicou Dino Alves, em declarações à Lusa a propósito da apresentação da coleção "Silêncio". Para o designer de moda, "o silêncio é uma ótima arma" e, "às vezes, fala mais do que muitas palavras".

O desfile, que decorreu dentro do Pavilhão Carlos Lopes, começou com vestidos negros, simples, com "alguns detalhes de ruído", porque "no silêncio há sempre o chilrear de um pássaro, uma sirene, uma coisa qualquer".

O silêncio foi apenas o "ponto de partida", a partir do qual Dino Alves desenvolveu a coleção.

"O tema, o conceito, é uma fonte de inspiração que depois nos leva para coisas às vezes até antagónicas", disse. E isso explica, por exemplo, as riscas, "que podem simbolizar as barras do som dos equipamentos, das mesas de som, que andam sempre para cima e para baixo".

As riscas são em amarelo, mas também em renda, da mesma cor da peça que adornam. O vermelho de alguns tecidos "representa um grito ou um berro" e as cores mais suaves "formas mais dóceis de falar". Alguns detalhes nas peças em cores mais ácidas "representam ruídos".

As manequins que encerraram o desfile, com cubos pretos a taparem-lhes a cara, são "a imagem do silêncio", já que "uma pessoa que não tem boca e não tem olhos não pode mesmo dizer nada".

O desfile de Dino Alves foi o último de um dia que começou ao início da tarde no jardim, com as coleções de Imauve + Carolina Machado, de David Ferreira e do coletivo Awaytomars.

Já dentro de portas, foi apresentada a coleção "O Globalista", de Nuno Gama, na qual o designer de moda glorifica, como é habitual no seu trabalho, símbolos portugueses. Para a primavera do próximo ano, Nuno Gama focou-se na azulejaria tradicional portuguesa.

Nas cores, optou pelo branco e os azuis, que remetem para os painéis de azulejos tradicionais portugueses, usados pelo criador como estampado ou bordados em camisas, t-shirts, 'blazers', calções e sapatos.

Os manequins surgiram com partes do corpo, como a cara, pernas e mãos cobertos de argila, tal como os bailarinos que estiveram na 'passerelle' no início, a meio e no final do desfile.

Outro símbolo português, o fado, encerrou o desfile com um músico Mike11 a tocar guitarra portuguesa enquanto os modelos se posicionavam para a foto de família.

Realizaram-se ainda os desfiles de Aleksandar Protic - cuja coleção teve como ponto de partida as esculturas da série "Pelagos" de Barbara Hepworth -, da marca brasileira de biquínis Cia.Marítima, de Ricardo Andrez e do francês Christophe Sauvat.

A 49.ª edição da ModaLisboa, que decorre sob o tema "Luz", termina no domingo.

Fonte: jn.pt

Para página da categoria

Loading...