Receba atualizações de notícias ao minuto sobre os temas mais quentes com a NewsHub. Instale já.

MNE britânico diz que negociações podem ter uma "feliz resolução"

19 de Junho de 2017 9:39
1 0

O chefe da diplomacia britânica, Boris Johnson, disse hoje que continua a acreditar que as negociações para a saída do Reino Unido da União Europeia podem alcançar uma "feliz resolução" para as duas partes.

"Todo o processo vai conduzir a uma feliz resolução, com vantagens para ambas as partes", disse Johnson, à chegada ao Conselho de Ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia que se realiza hoje no Luxemburgo.

Ao mesmo tempo, decorrem hoje, em Bruxelas, as negociações diplomáticas sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (`Brexit`).

Na reunião de Bruxelas, que começou às 09:00, estão presentes Michel Barnier, o chefe da delegação da União Europeia para as negociações do `Brexit` e o ministro britânico David Davis, que tem a tutela sobre os assuntos relacionados com a saída do Reino Unido.

Boris Johnson, referindo-se à natureza do acordo que vai ser negociado em Bruxelas, admitiu que as partes "vão falar de dinheiro".

Bruxelas exige a Londres o pagamento de 60 mil milhões de euros pela saída do bloco europeu.

"Devemos olhar o horizonte e ver mais além e encarar novas parcerias, profundas e especiais, que queremos construir com os nossos amigos", sublinhou o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico.

"A longo prazo, vai ser bom" para o Reino Unido e para a União Europeia disse ainda Boris Johnson, um dos maiores defensores do `Brexit` no executivo britânico.

Entretanto, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Michael Roth, afirmou hoje que o `Brexit` "não vai ser bom" nem para o Reino Unido nem para a União Europeia.

Em declarações à rádio RBB Inforadio, Roth acrescentou que o "`Brexit` é uma operação difícil" que vai ter de ser executada em pouco tempo.

Leia também: Conselho Europeu adota critérios para eleger sedes de agências, decisão em novembro

Fonte: rtp.pt

Partilhe nas redes sociais:

Comentários - 0